Especulação financeira Especulação financeira

Especulação financeira: o que é e quais os riscos?

6 minutos para ler

Altos ganhos em um curto período de tempo é o sonho de todo investidor. Não é para menos, para ser um investidor de sucesso a potencialização dos ganhos é fundamental. 

Quando bem aplicada, a especulação financeira em renda variável possibilita grandes ganhos em um curto período de tempo. 

Para descobrir o que a especulação financeira e aprender mais sobre essa modalidade da Bolsa de Valores é só acompanhar o blog post. 

O que é especulação financeira

Explicando de maneira objetiva, a especulação financeira é uma “aposta” na valorização ou na desvalorização de um ativo da Bolsa de Valores. Basicamente é um movimento rápido de compra e venda de uma ação feito em um território incerto. 

Mas não se engane! Apesar do uso da palavra aposta na definição, a especulação não é um jogo de azar. 

Normalmente os especuladores são investidores experientes que têm uma visão mais ampla e segura do mercado e que já conhecem com certa profundidade as empresas de interesse. Com essa visão detalhada ele tenta obter grandes ganhos tanto na subida, quanto na queda das ações. 

Como funciona especulação financeira

A premissa é simples: o especulador estuda rapidamente os ativos e os compra na baixa para vender na alta ou o inverso quando deseja operar vendido

Para que isso seja possível, antes da compra e da venda – que devem ser movimentos rápidos a fim de potencializar os ganhos – o especulador deve identificar os topos e fundos que definem a tendência do preço e além dos fundamentos de cada ativo. 

Fizemos um vídeo para te explicar melhor o que é operar vendido. Confira:

Tipos de especulação financeiras no Mercado

Existem diversos tipos de especulação. Contudo, as mais comuns vistas nos mercados são: 

  • Day Trade: especulação de curto prazo, no Day Trade o especulador abre e fecha as operações em um mesmo dia, sempre realizando o lucro ou a perda em um mesmo pregão;
  • Swing Trade: operação de médio prazo em que o especulador espera dias ou semanas para concretizar a compra e/ou a venda do ativo;
  • Robôs de Trade: operação controlada por robôs, em que esses mecanismos tecnológicos operam as compras e vendas de ativos de forma automatizada de acordo com as funções habilitadas para ele. 

Diferença entre investimento e especulação

A diferença básica entre as duas modalidades é que no investimento existe uma investigação minuciosa e a análise de gráficos que a um determinado tempo estipulado podem garantir um futuro promissor dos ativos. Já na especulação a análise é mais rápida e hipotética. 

Outras diferenças importantes entre as modalidades: 

Investimento

  • Estudo aprofundado visando um retorno positivo mais lento à médio/longo prazo; 
  • Poucas movimentações no mercado (compras e vendas estratégicas); 
  • Perfil de investidor normalmente moderado ou conservador

Especulação

  • Decisão mais rápida e retorno (positivo e/ou negativo) a curto prazo; 
  • Muitas movimentações no mercado (compras e vendas em vários momentos); 
  • Perfil de investidor normalmente agressivo. 

Quais são os riscos da especulação financeira 

Em um mercado estável, a especulação financeira normalmente costuma funcionar melhor,. pois as possíveis oscilações costumam ser mais previsíveis. 

Contudo, em um mercado instável é extremamente arriscado especular, pois, geralmente, há menor previsibilidade do futuro do ativo. Nesse cenário, caso haja qualquer motivo externo, como por exemplo, mudanças políticas e/ou sociais, pode haver uma grande variação no mercado e todos os ativos negociados sofrerem rápida variação de preços. 

Crise de 1929

Muito se fala sobre a crise de 1929 que assolou a Bolsa de Valores de Nova Iorque. O que pouca gente sabe, é que o que motivou a queda da Bolsa foi principalmente a movimentação dos especuladores. 

A dinâmica funciona assim: quando vários especuladores movimentam os mesmo ativos ao mesmo tempo pode haver uma mudança drástica no valor dele ou até mesmo do setor em que ele está inserido. 

Em 29 o que se passou foi exatamente isso. Vários especuladores e até mesmo alguns investidores com medo de perdas movimentaram ao mesmo tempo, e o excesso de pânico causou uma queda massiva no valor de todos os ativos da Bolsa de Nova Iorque.  

Essa movimentação especulativa é lembrada até hoje, pois foi a responsável por um dos maiores rombos na história da Bolsa norte americana e mundial.

O que é preciso para ser um bom especulador financeiro

Caso tenha interesse em se tornar um especulador é importante checar se o seu perfil de investidor e se as suas habilidades técnicas condizem com essa modalidade de operação. 

Confira abaixo as principais características necessárias para se tornar um grande especulador. 

Perfil adequado e controle emocional 

A especulação financeira definitivamente não é para todos. Para ser um bom especulador é geralmente necessário ter um perfil de investidor agressivo e não ser avesso à possíveis perdas. É fundamental entender que ganhar dinheiro em pouco tempo exige muita estratégia e que você não vai acertar 100% do tempo! 

Outra característica indispensável é o autocontrole. Um especulador precisa ser calmo e seguir suas estratégias para evitar ao máximo agir por impulso. Controlar as emoções é vital para não deixar o medo interferir na carteira de ações. 

Experiência de mercado e conhecimento técnico 

O sucesso se constrói com estudo, principalmente quando o assunto é especulação financeira! 

Muitas pessoas entram na Bolsa de Valores já especulando, sem de fato ter embasamento teórico para os investimentos. Esse movimento pode levar à enormes perdas tanto de dinheiro, quanto de confiança na hora de investir. 

Para especular com confiança é necessário conhecer o mercado, os ativos e principalmente as técnicas e processos econômicos. Só com experiência e com a ajuda de análises rápidas é possível diminuir as possíveis perdas. 

Interesse e acesso à informações 

Para especular é importante estar sempre por dentro de todas as principais notícias do Brasil e do mundo. Mudanças no cenário político e social, assim como mudanças internas, como por exemplo na diretoria das empresas que oferecem ações na B3, impactam diretamentes (e muitas vezes rapidamente) no valor dos ativos. 

O acesso a informações rápidas e de fontes confiáveis ajuda e muito a entender qual o melhor momento para as entradas e saídas nos ativos. 

Ficou com alguma dúvida? Deixe um comentário ou uma pergunta nesse artigo que nosso time de especialistas lhe ajudará! 

Posts relacionados

Deixe um comentário