como fazer o dinheiro trabalhar para mim como fazer o dinheiro trabalhar para mim

Como fazer o dinheiro trabalhar para mim?

13 minutos para ler

Quase todo mundo já se questionou em algum momento: “como fazer o dinheiro trabalhar para mim?” Afinal, todos desejamos ter liberdade financeira para poder realizar nossos sonhos sem comprometer o orçamento e sem precisar aumentar a carga de trabalho. 

Mas a boa notícia é que existem várias formas de transformar esse objetivo em realidade. E isso é possível fazendo investimentos em ativos geradores de renda. Ou seja, você pode lucrar com juros, aluguéis e, até mesmo, dividendos.  

E transformar isso em realidade pode ser mais simples do que você imagina! 

Porém, em meio a tantas possibilidades de criar uma renda passiva é muito importante conhecer bem elas para tomar as melhores decisões. Dependendo do seu objetivo financeiro alguns ativos podem ser mais interessantes do que outros. 

Se você está interessado no assunto e está buscando conhecer mais sobre alguns tipos de investimentos rentáveis, este artigo pode te ajudar nesse caminho. Continue a leitura! 

Entenda a mágica dos juros compostos

Não se engane: mesmo investindo valores pequenos como R$10,00 ao mês é possível fazer o dinheiro trabalhar para você sem sair de casa! O nome dessa mágica é juros compostos. 

E para responder a pergunta “como fazer o dinheiro trabalhar para mim”, é muito importante entender a fórmula que faz o seu dinheiro render. Isso porque é através desse cálculo que você consegue descobrir quanto um determinado tipo de investimento vai render. 

Imagine, por exemplo, que você tem como meta fazer uma viagem ao final do ano e precisa de R$1000. Para atingir esse objetivo você precisa procurar quais são as possibilidades que irão te proporcionar esse valor até o final do ano. 

O que são os juros compostos?

Certamente você já percebeu que na maioria das transações financeiras existe uma taxa de juros que são percentuais somados ao valor e cobrados. Porém, a relação com os juros para quem é credor é totalmente diferente. São eles que indicam qual será o lucro em cima da transação financeira e esse é o caso dos investimentos. 

Mas diferentemente dos juros simples, os juros do investimento são somados a cada período (mensal, semestral ou anual) referente ao valor do período anterior e não do valor inicial. Ou seja, o rendimento do seus investimentos serão resultado de juros sobre juros. Entenda: 

Imagine que hoje você começou a investir R$100,00 e fará isso mensalmente. E o seu investimento possui uma taxa de juros de 4% ao mês. No primeiro mês você terá R$104,00 no segundo R$108,16, no terceiro R$112,48 e assim por diante. Enquanto nos juros simples o acréscimo seria feito apenas em cima do valor inicial. 

Invista seu dinheiro em ativos financeiros

Como mencionamos anteriormente, hoje em dia, existem diversos ativos financeiros que colocam o dinheiro trabalhar para você. Mas antes de tudo, uma pergunta: você sabe o que são ativos financeiros? 

Ativos, em síntese, são todos os bens financeiros disponíveis para compra pelo público. Então, eles podem ser ações, títulos públicos, títulos bancários, commodities, cartas de crédito entre outros. A diferença entre eles é que eles podem ser de renda fixa ou variável.

Mas antes de apresentar algumas dessas possibilidades para você, existem algumas dicas importantes que podem te ajudar a tomar as melhores decisões na hora de investir seu dinheiro em ativos.

Defina quais são suas metas financeiras

Todos temos sonhos, certo? E se para conquistar eles você precisa de dinheiro, essas são suas metas financeiras. Ter bem delimitado quais são elas é muito importante na hora de investir. As condições dos investimentos variam bastante, tanto em relação ao prazo para o resgate do rendimento, quanto em relação ao percentual que vai render. Sem objetivos bem estruturados você pode acabar optando por um ativo que não irá gerar o resultado mais adequado para seu objetivo. 

Faça um planejamento financeiro

Para as empresas estabelecerem estratégias para alcançar o seus objetivos é muito importante ter controle de todas as variáveis financeiras e produtivas. Individualmente, se você deseja fazer o dinheiro trabalhar para você a lógica é a mesma. E a forma de fazer isso é fazendo um bom planejamento financeiro. Nele vai constar todas as suas informações financeiras para que você determine quais serão as suas estratégias para alcançar os seus objetivos. 

Quer saber mais sobre planejamento financeiro e sobre como ele deve ser feito? Veja nossas dicas clicando aqui

Entenda seu perfil de investidor 

Cada pessoa, devido a suas características emocionais e suas experiências sociais, lidam com os riscos de formas diferentes. E não se engane, todo tipo de investimento envolve riscos. O que determina se esses riscos serão maiores ou menores são as condições e rentabilidade específicas de cada ativo. Por isso, é muito importante que você determine o seu perfil de investidor, ou seja, se você tem baixa, média ou alta tolerância a correr riscos.

10 investimentos para fazer seu dinheiro trabalhar por você

Agora que você entendeu como a mágica do juros compostos pode fazer o dinheiro trabalhar para você e quais os passos que podem te ajudar a analisar as vantagens e desvantagens de um investimento, é hora de conhecer 10 possibilidades que listamos para você. Confira!

Renda Fixa

Os ativos financeiros são divididos em duas categorias: de renda fixa e de renda variável. 

Os investimentos em renda fixa são os ativos financeiros que possuem uma maior previsibilidade em relação aos rendimentos e prazo de vencimento determinado. Por isso, esses são os investimentos mais indicados por aqueles investidores com perfil conservador. 

  1. Tesouro Direto 

O Tesouro Nacional é um dos investimentos de renda fixa mais populares para quem está procurando colocar o dinheiro para trabalhar. Em suma, ao comprar um título do tesouro, você está emprestando dinheiro para o governo. Em troca, o comprador é remunerado em cima de taxas de juros composto. 

Existem dois tipos de títulos do Tesouro Direto: os prefixados, que como o próprio nome sugere, possui uma rentabilidade fixa até a data de vencimento do título; e os pós-fixados, cuja correção é feita pela taxa básica de juros da economia (Selic) ou a pela inflação (IPCA).

Certificado de Depósito Bancário (CDB) 

Este é um título emitido pelas instituições financeiras. Quem investe em CDB empresta dinheiro a um banco para que ele capte recursos. A remuneração do CDB costuma ser de 90% do CDI, mas é possível obter retornos melhores, próximos a 120%.

Uma das grandes vantagens do CDB é que ele é protegido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Isso significa que, se a instituição que lançou o título declarar falência, você será reembolsado de acordo com as regras estabelecidas pelo Fundo. 

Nota: o CDI (Certificado de Depósito Interbancário) é uma maneira dos bancos fazerem empréstimos entre si. A taxa DI, ou CDI, é a média dos juros praticados nesses empréstimos, que servirá para balizar os rendimentos de outros produtos, como o CDB.  

  1. Letras de Crédito

As Letras de Crédito são ativos vendidos por instituições financeiras com o objetivo de captar recursos para o investimento em determinados setores da econômica. São eles: As letras de crédito do agronegócio (LCA) e as letras de crédito imobiliário (LCI). 

Uma das principais vantagens desses ativos é que eles, assim como no caso do CDB, possuem isenção de imposto de renda para pessoa física e cobertura pelo Fundo Garantidor de Crédito. 

Já em relação a rentabilidade das letras de crédito elas possuem estruturas parecidas com a do Tesouro Direto. São papéis atrelados à variação da inflação e eles podem ser prefixados, ou seja, com taxa de juros fixadas no momento da compra, ou pós-fixadas. No caso das pós-fixadas o rendimento irá depender das variações da taxa do CDI. 

  1. Debêntures 

As debêntures talvez sejam os ativos de renda fixa menos populares. Mas isso não significa que ele possui uma menor rentabilidade. As debêntures representam uma alternativa aos empréstimos tradicionais, nos quais grandes bancos costumam cobrar custos altos.

Em suma, esses são títulos vendidos pelas empresas sem o intermédio dos bancos para captar recursos e financiar seus projetos. Nas debêntures, é como se a empresa vendesse uma dívida e o comprador deste investimento, portanto, virasse um credor. E o rendimento também pode ser prefixado ou pós-fixado. 

Mas uma informação importante que o investidor deve levar em consideração ao escolher esse tipo de investimento é que ele não possui proteção do FGC. Portanto, é importante que você pesquise bem sobre a solidez da empresa.  

  1. Letras de Câmbio 

Apesar de ter uma dinâmica muito parecida com as LCA e LCI, as Letras de Câmbio (LC) só podem ser compradas com taxas pré-fixadas. Mas você pode escolher que entre três modalidades de remuneração. Ela pode ser atrelada ao CDI, ao CDI + spread ou índices de preços como a inflação. 

Leia também: Quem deve declarar imposto de renda

Renda Variável 

Já em relação aos ativos de renda variável, como o próprio nome sugere, são aqueles que o retorno tem grande volatilidade, mas também apresentam melhores possibilidades de rendimento. 

Acontece é que, diferente no que acontece na renda fixa onde você tem certeza da rentabilidade, o que determina se haverá retorno ou perda são alguns fatores do mercado e acontecimentos econômicos e políticos

Por isso, essas modalidades de investimento são mais recomendadas para aqueles que possuem perfis moderado ou arrojado. Mas lembre-se: isso não significa que um investidor consevador não posso aproveitar as possibilidades que a Bolsa de Valores oferece. 

Com ajuda profissional e entendendo melhor como funcionam os produtos, é possível também direcionar seu dinheiro às aplicações de renda variável, como forma de diversificação da sua carteira.

  1. Ações 

Investir em ações é uma prática que tem ficado cada vez mais popular no Brasil. Parte disso se deve à boa rentabilidade que as ações podem oferecer.

Ao comprar um desses ativos, você passa a ser sócio da empresa escolhida e pode ter rendimentos recebendo dividendos (um percentual do lucro) ou com as operações de compra e venda dos títulos. O que irá determinar essas possibilidades de rendimento são os tipos de ações e as suas estratégias. 

Além disso, é importante dizer que a Bolsa de Valores é um ambiente democratico. Qualquer pessoa pode investir, mesmo com poucas quantias de dinheiro. Isso, porque as ações podem ser compradas tanto no mercado de ações quanto no mercado fracionário de ações. 

No mercado de ações as operações só podem ser realizadas com lotes mínimos de 100 ativos. Enquanto no mercado fracionário, o investidor pode negociar ações em qualquer quantidade entre 1 e 99. Em outubro de 2020, uma ação do Banco Itaú, por exemplo, estava custando R$23,56. 

Você está buscando informações para aprender a investir em ações? Confira nosso artigo: Quero investir em ações, por onde eu começo? 

  1. Fundos Imobiliários 

Também conhecidos com FIIs, esses ativos são um tipo de aplicação na qual um conjunto de recursos é destinado ao investimento em ativos do mercado imobiliário. O objetivo é usar o montante do fundo para adquirir imóveis construídos ou em construção para alugar ou arrendar para novos locatários, obtendo rendimento com aluguéis e vendas após a valorização.

Os FIIs são vantajosos porque permitem ao investidor investir no mercado imobiliário sem, de fato, precisar desembolsar o necessário para comprar um imóvel. 

  1. Câmbio

De forma simples, investir em câmbio é como estar comprando moedas estrangeiras. Porém, nesse tipo de investimento a rentabilidade depende da variação do ativo, ou seja, se ele está valorizado ou desvalorizado no mercado.

Por exemplo: frente aos resultados pesquisas das eleições nos Estados Unidos, muitos investidores podem ter uma percepção otimista da economia. E, portanto, é provável que grande parte deles invistam no dólar. Nesse cenário, quem já possui investimentos em câmbio no dólar pode aproveitar o momento para vendê-los a preços mais altos. 

Além disso, a rentabilidade também está relacionada a cotação da moeda.Constantemente, as moedas se valorizam ou desvalorizam moedas frente as suas estratégias governamentais ou devido a crises econômicas. Para quem investiu, por exemplo, quando o dólar estava a R$2,50, hoje esse investimento dobrou com o dólar a mais de R$5. 

Também é importante destacar que o investimento em câmbio está sujeito às taxas percentuais de 1,3% pela transferência bancária e de 0,38% de IOF. Esses valores são descontados com base no valor total no momento em que é solicitado o resgate. Em média, os resgates são disponibilizados em até 2 dias úteis. 

  1. Exchange Traded Fund (ETF)

O Exchange Traded Fund (ETF), ou simplesmente fundos de índice, são fundos vendidos na Bolsa de Valores composto por ações de diversos setores. Essa é uma modalidade bastante interessante para quem quer ter investimentos diversificados sem se preocupar em comprar cada um individualmente e com as diferentes taxas.  

Eles são chamados de fundos de índice porque o rendimento é atrelado ao índice Bovespa (IBOV).  Esse índice é calculado diariamente com base no desempenho médio do mercado de ações.

Um grande diferencial desse tipo de investimento é que ele representa uma alternativa com menores riscos. Acontece que as ações que compõem o fundo, geralmente, são as empresas considerados boas pagadoras ou com bons indicadores de estabilidade. 

  1. Derivativos 

Os derivativos são investimentos que possuem seu rendimento derivado de outros ativos e podem ter duas naturezas: financeiros (como o dólar e as ações) e físicos (como o café, o ouro e a soja), e funcionam a partir da negociação entre partes. Os tipos mais comuns de derivativos estão dentro do Mercado de Opções, Mercado a Termo, Mercado Futuro e Mercado de Swap.

E saiba: se você está a procura de como fazer o dinheiro trabalhar para você e acredita que os investimentos de renda variável é a melhor opção, esse tipo de investimento possuem vantagens para diversas finalidades. 

Uma das mais relevantes é que, por meio dos contratos, os investidores têm a possibilidade de fixar um preço, no presente, para um ativo que sofre muita oscilação no mercado. 

Se interessou pelos derivativos? Confira também nosso artigo que explica como funciona o mercado de derivativos. 

Ficou com alguma dúvida? Compartilhe com a gente aqui nos comentários que estamos à disposição para te ajudar!

Posts relacionados

Deixe um comentário