gastos mensais gastos mensais

Qual a porcentagem ideal de gastos mensais?

10 minutos para ler

Na hora de organizar a vida financeira, entender quais são os seus gastos mensais e pensar em formas de controlá-los e reduzi-los é de suma importância. Uma planilha de gastos mensais pode ajudar nesse sentido, mas também é preciso avaliar o quanto esses custos estão impactando a sua renda.

Assim, será mais fácil tomar decisões sábias para cortar gastos sem que isso impacte a sua qualidade de vida. Quer entender melhor? Siga conosco neste conteúdo!

O que são gastos mensais?

Podem ser enquadrados como gastos mensais todos aqueles que ocorrem de maneira recorrente. Essa lista pode ser composta por contas fixas e básicas, sendo, portanto, mais difícil reduzi-la. É por isso que o planejamento adequado é tão importante, evitando o endividamento.

Alguns exemplos de gastos mensais são: aluguel ou parcela do financiamento da casa, condomínio, conta de água e energia elétrica, internet, gastos com transporte, alimentação, mensalidade da escola dos filhos etc.

Como fazer o controle dos gastos mensais?

O primeiro passo para controlar os gastos mensais é entendê-los. Então, o fundamental é você criar uma planilha ou uma tabela de gastos mensais. Nela, você deve anotar tudo o que gasta dentro de um mês, como:

  • despesas da casa (aluguel ou financiamento, condomínio, luz, água, internet, telefone, gás etc.);
  • despesas de alimentação fora de casa (restaurantes, cafezinhos, fast-food etc.);
  • despesas com supermercado (alimentação, produtos de higiene, produtos de limpeza etc.);
  • transporte (gasolina, Uber, táxi, transporte público etc.);
  • educação (escola dos filhos, faculdade, cursos, livros e outros);
  • lazer (cinema, serviços mensais de streaming);
  • cuidados pessoais (academia, equipamentos de ginástica, personal, salão de beleza, barbeiro etc.);
  • investimentos (previdência privada, poupança, reserva de emergência etc.);
  • impostos (IPVA, IPTU, Imposto de Renda etc.);
  • saúde (convênio médico, remédios, tratamentos)
  • outras despesas (ração para os pets, petshop, presentes e outros não listados).

Depois de entender quais são suas despesas mensais, é hora de dividi-las em:

  • gastos essenciais: casa, mercado, educação, saúde, transporte e impostos;
  • estilo de vida: lazer, cuidados pessoais e alimentação fora de casa;
  • objetivos ou prioridades financeiras: dívidas e investimentos.

A partir de então será mais fácil compreender o que precisa ser priorizado e o que pode ser reduzido – e também qual gasto mensal está acima do ideal, pensando em maneiras de diminuir esses custos.

Qual a porcentagem ideal dos gastos mensais?

Existem muitas regras que visam estipular a porcentagem ideal dos gastos mensais. A mais conhecida é a dos 30-20-15. Ou seja: 30% da renda mensal deve ser destinada à moradia, 20% para a educação e 15% para o transporte.

Mas a verdade é que a porcentagem ideal dependerá muito do seu estilo de vida e padrão de consumo. A base de um orçamento doméstico de sucesso sempre será o equilíbrio, de forma que você gaste com o básico, mas também consiga ter dinheiro para o lazer, os cuidados pessoais e para realizar seus sonhos, metas e objetivos financeiros (como comprar uma casa, fazer uma viagem ou se aposentar).

Regra 50-15-35

Apesar disso, existem algumas regras que podem lhe ajudar na hora de organizar melhor os gastos mensais. Uma delas é a regra dos 50-15-35, que diz que:

  • 50% da sua renda devem ser destinados aos gastos essenciais, como alimentação, moradia, saúde, transporte, mercado e educação (ou seja, tudo aquilo que você precisa para se manter no dia a dia);
  • 15% devem ser destinados à prioridades financeiras, como quitação de dívidas, criação de um fundo de reserva de emergência, plano de previdência privada, investimentos de longo prazo etc.;
  • 35% da sua renda deve ser para as despesas de estilo de vida, como academia, hobbies, lazer, salão de beleza, viagens, restaurantes, compras e cuidados pessoais.

Com essa regra, você conseguirá estabelecer metas de gastos e organizar a sua vida financeira.

Regra 50-30-20

Outra regra semelhante é a dos 50-30-20, que estipula:

  • 50% da renda para os gastos essenciais e fixos, como moradia e supermercado;
  • 30% para gastos variáveis relacionados ao estilo de vida, como viagens, academia, lazer e restaurantes;
  • 20% para arcar com as prioridades financeiras que vão ajudar a alcançar sonhos e projetos.

Regra dos 60-10-10-20

Se você não consegue se organizar nas regras acima, essa outra possibilidade poderá lhe ajudar. Ela diz que:

  • 60% da sua renda deve ser destinada aos gastos básicos;
  • 10% para os objetivos de curto prazo (fundo de emergência, trocar de carro, fazer uma viagem e outros objetivos com prazo inferior a 2 anos);
  • 10% para objetivos de longo prazo (aposentadoria, compra de um imóvel, entre outros);
  • 20% para gastos livres (itens supérfluos).

Como equilibrar os gastos mensais?

Apesar de todas as regras, muitas pessoas têm dificuldades em aplicá-las. Principalmente quando falamos nos gastos básicos, já que muitas acreditam que 50-60% é uma porcentagem muito baixa para cobrir todos esses pontos.

Porém, geralmente, há duas possibilidades para isso. A primeira são as pessoas que não compreendem bem o que são gastos básicos (e incluem nessa conta itens supérfluos que poderiam ser cortados). E a segunda são daquelas que estão vivendo acima do seu padrão de vida, gastando mensalmente com itens aquém do que podem pagar.

Equilíbrio financeiro não é acabar o mês empatando receita com despesa. Afinal, você não estará pensando no seu futuro financeiro. Está apenas gastando com o agora, sem pensar, por exemplo, em como será quando se aposentar ou caso venha a perder o emprego.

Se está com dificuldades em cortar gastos, analise: caso você ficasse desempregado hoje, quais dos seus gastos mensais seriam cortados ou reduzidos? Esse pequeno exercício pode lhe dar um indicativo de quais gastos devem realmente ser considerados básicos no seu orçamento doméstico.

Quanto gastar por mês com atividades físicas?

As atividades físicas, como vimos, entram nos gastos relacionados ao estilo de vida. Elas são extremamente importantes para manter a sua saúde física e mental. Mas devem ser compatíveis com a sua renda e realidade financeira.

O ideal é que esses custos somados aos demais relacionados a esse setor (como salão de beleza, restaurantes, viagens etc.) não ultrapassem o máximo de 30% da sua renda.

A boa notícia é que economizar com as atividades físicas não é tão difícil. Você pode, por exemplo, montar uma academia em casa, com alguns equipamentos de crossfit e contratar um professor à distância para lhe orientar, o que sairá mais barato do que uma academia com personal.

Ainda há a possibilidade de participar de grupos de corrida, fazer atividades ao ar livre, entre outras sugestões. É claro que você nunca deverá dispensar a orientação de um profissional de educação física.

Gastos mensais para cortar e diminuir

Sim! Já te explicamos a importância de equilibrar os gastos mensais para alcançar um bom equilíbrio financeiro que lhe permita viver com mais tranquilidade. Agora, te mostramos algo melhor ainda: sugestões de gastos que podem ser cortados ou diminuídos para que você tenha uma vida financeira ainda mais equilibrada. Se liga nas dicas e bora colocar isso em prática hoje mesmo!

1. Transporte: use menos o carro

Com os sucessivos aumentos dos combustíveis em todo o Brasil, fica ainda mais alta a despesa para manter um carro e utilizá-lo no dia a dia. E não é só o combustível , né? Tem despesa de estacionamento, impostos, manutenções e por aí vai…..Com certeza, se você colocar na ponta do lápis, não vale a pena, financeiramente, se deslocar todos os dias com o carro próprio. 

Diante disso, é importante ter alternativas. Uma boa opção é utilizar o transporte público sempre que possível e apostar, também, em transportes alternativos, como bicicletas!

Em muitos casos, até se deslocar a partir de aplicativos de transporte sai mais em conta do que ter um carro. Fique atento e considere a despesa com carro como uma das primeiras a serem eliminadas e diminuídas.

2. Faça e siga uma lista de supermercado

Você vai ao supermercado para comprar dois itens e de repente o seu carrinho tá cheio? Quem nunca passou por isso, não é mesmo? Essa situação que é super comum é muito, muito negativa para o seu bolso e reflete falta de planejamento! 

Por isso, antes de ir ao supermercado, sempre faça uma lista do que você realmente precisa comprar e a siga à risca.. Com essa pequena mudança, você vai perceber um alívio financeiro no final do mês.

3. Diminua gastos com delivery

Com a pandemia, os serviços de delivery aumentaram muito junto à alta do número de pedidos. Sim, ficar mais tempo em casa se tornou, para muitos, sinônimo de apostar naquele fast food preferido para substituir uma saída habitual. O problema disso, é quando a facilidade do delivery começa a fazer parte da sua rotina quase que diariamente, ao ponto de onerar muito os seus gastos. Por isso, a nossa dica é fazer aquele pedido somente se necessário. O seu bolso agradece e muito!

4. Revise seus planos multimídia e streaming

TV a cabo, planos de streaming e por aí vai. Esses gastos, que são considerados como essenciais por muitas famílias brasileiras, oneram consideravelmente o orçamento mensal delas.

Se você está no time que considera esses serviços essenciais, não se preocupe, pois é possível mantê-los de maneira equilibrada. Como? Primeiramente, ligando para a operadora responsável pela sua TV a cabo e renegociando os valores. Há muitas opções no mercado e com certeza você vai encontrar bons preços. Já em relação aos streamings, a dica é contratar pacotes nos quais você consiga dividir o valor mensal com amigos e familiares!

5. Vai viajar? Economize!

Sabe aquela sonhada viagem para relaxar depois de um longo período de trabalho? Sim, ela é possível gastando muito menos! Como? Viajando fora do período de alta temporada do seu destino. Programe as suas férias para a baixa temporada, encontre destinos vazios e pague muito menos!

Outra dica super válida é ativar o alerta de preços em aplicativos de viagens para o destino que você pretende ir. Assim, sua economia com passagem e hospedagem  pode ser ainda maior!

6. Menos é mais

O minimalismo financeiro é um dos melhores caminhos para  você deixar de lado o que você não precisa e se concentrar em seus valores.

Viver somente com o que você de fato precisa é uma ótima forma de economizar dinheiro. Essa dica se relaciona com todas as outras sobre como cortar e minimizar gastos mensais.

E aí, curtiu as nossas dicas? Então deixe um comentário para gente e acompanhe o nosso blog, que vamos te apresentar mais alternativas para que você tenha uma vida financeira mais equilibrada!

Posts relacionados

Deixe um comentário