Investimentos financeiros: conceitos básicos para quem quer começar a investir

Investimentos financeiros: 8 conceitos básicos para quem quer começar a investir

Certamente, quem busca por investimentos financeiros encontrará uma gama de possibilidades no mercado. Afinal, existem modalidades para todos os perfis e objetivos.

Seja qual for o seu plano (ter uma boa aposentadoria, economizar dinheiro para a faculdade dos filhos, montar uma reserva para eventuais emergências, etc), investir te ajudará a alcançá-lo! Para começar, você precisa primeiro organizar suas finanças, montar um planejamento financeiro e conhecer alguns conceitos básicos do mercado.

Que tal aprender termos muito usados no mundo dos investimentos financeiros? Neste post, separamos e explicamos alguns deles. Aprenda o que eles significam e torne a sua jornada muito mais simples!

1- Renda Fixa

Investimentos em renda fixa são aqueles que possuem rentabilidade conhecida desde o momento da aplicação. O investidor já consegue saber qual será a sua rentabilidade quando compra os títulos.

Vale ressaltar que, na renda fixa, os ativos geralmente são títulos de dívida. É como se o investidor emprestasse dinheiro à instituição financeira e recebesse de volta o valor acrescido de juros depois de um determinado período. São exemplos de investimentos em renda fixa:

    • Certificados de Depósito Bancário (CDB);
    • Letras de Crédito Imobiliário (LCI);
    • Letras de Crédito do Agronegócio (LCA);
    • Tesouro Direto;
    • Fundos DI;
    • Fundos de Renda Fixa;
    • Debêntures;
    • Caderneta de Poupança.

2- Renda Variável

Diferente da renda fixa, não é possível saber qual será a sua remuneração  na renda variável. Outra grande diferença é que, nessa modalidade, o investidor não tem garantia que terá um retorno positivo, o que não acontece na renda fixa.

A vantagem da renda variável é que ela pode oferecer retornos melhores. Portanto, o investidor que está disposto a correr mais riscos na busca por rentabilidades maiores, pode encontrar na renda variável uma excelente opção. São investimentos em renda variável:

    • Ações;
    • Fundos de Ações;
    • Câmbio;
    • Derivativos;
    • Etc.

3- Rentabilidade

O principal motivo que leva as pessoas a investirem dinheiro é a intenção de obter ganhos sobre o capital aplicado. Rentabilidade nada mais é do que o retorno que você tem sobre o dinheiro investido. Na hora de investir, lembre-se que é interessante avaliar a rentabilidade que a modalidade te oferece e se ela se adequa ao seu planejamento financeiro.

Cada tipo de investimento possui a sua rentabilidade calculada de forma específica. No mercado, você encontra rentabilidades atreladas a taxas ou indexadores da economia e também rentabilidades baseadas na valorização de ativos.

A caderneta de poupança, por exemplo, tem sua rentabilidade atrelada à taxa Selic. Já a rentabilidade das ações da Bolsa de Valores depende da valorização dos papéis. Quanto mais a ação que você comprou se valoriza, mais você ganha com isso. 

4- Liquidez

Outro termo utilizado com muita frequência nos investimentos financeiros é a liquidez. Quando você aplica seu dinheiro, é importante saber o que acontece se você precisar retirá-lo em algum momento.

Liquidez é a facilidade de converter bens ou ativos em dinheiro. Investimentos diferentes possuem liquidezes diferentes, por isso, é preciso adequar seus investimentos financeiros aos seus objetivos.

Uma frustração muito grande dos investidores é não ter acesso ao dinheiro quando precisam ou ter perdas caso resgatem seus recursos. Por isso, é importante buscar informações sobre a liquidez de um ativo ou título antes de investir seu dinheiro.

5- Prazo de carência

O prazo de carência é o tempo mínimo que o capital investido fica retido pela instituição financeira. Isso quer dizer que, durante o período de carência, você não pode resgatar os seus recursos.

Este prazo é definido de acordo com cada tipo de investimento e cada instituição. Por exemplo, investimentos em Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) possuem carência mínima de 90 dias, ou seja, só é possível resgatar o valor aplicado depois de três meses. Já o Certificado de Depósito Bancário (CDB) tem liquidez diária, o que quer dizer que não há um prazo mínimo para resgatar o dinheiro.

6- Relação risco e retorno

É muito importante saber que existe uma relação entre o risco e o retorno no mercado financeiro. Quanto maior o risco que um investimento oferece, maior o retorno que ele pode trazer. Da mesma forma que, quanto menor o risco, menor o retorno.

Vamos pensar em dois tipos de investimentos financeiros: poupança e ações da bolsa de valores. A poupança oferece baixos riscos, já que se enquadra como um investimento em renda fixa e possui a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) para valores até R$250 mil. Mas a sua rentabilidade é baixa.

Já as ações oferecem riscos mais altos do que a poupança, por serem um investimento em renda variável, no qual o investidor não tem garantia de que receberá retorno sobre o dinheiro aplicado. Assim, é fácil ver pela comparação dos riscos que o retorno do investimento em ações da bolsa costuma ser superior ao da poupança.

7- Diversificação

A diversificação é uma técnica de administração de risco por meio da alocação de investimentos entre vários setores ou classes de ativos. Ou seja, o investidor não aplica todo o seu dinheiro em apenas um tipo de investimento.

Isso ajuda a minimizar os riscos e permite que o investidor consiga obter ganhos de várias fontes e explorar modalidades com rentabilidades diferentes. Em resumo, é a busca por minimizar os riscos e maximizar os ganhos.

8- Selic, IPCA e CDI

No mercado de investimentos financeiros, você vai encontrar várias siglas diferentes, mas existem três que aparecem com muita frequência e é importante que você as conheça:

  1. Taxa Selic: é a taxa básica de juros da economia brasileira. A sigla quer dizer Sistema Especial de Liquidação e Custódia.
  2. IPCA: significa Índice de Preços ao Consumidor Amplo e é o índice que mede a inflação do país.
  3. CDI: o Certificado de Depósito Interbancário é um título que serve como empréstimo entre bancos para que eles consigam fechar seu caixa no fim do dia. É usado como referência para algumas modalidades de investimento, como o CDB.

Viu como os conceitos são simples? À primeira vista, eles podem parecer complicados, mas com pequenas explicações, é possível entender o que cada expressão quer dizer. Conhecer conceitos como rentabilidade, liquidez e diversificação é fundamental para o seu dia-a-dia no mercado de investimentos financeiros.

Você está começando? Fica uma dica: os melhores investimentos são aqueles que mais se ajustam ao seu perfil. Busque conhecimento e conte sempre com a Vexter em sua jornada de aprendizado!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.