investir em ações com 100 reais investir em ações com 100 reais

Como investir em ações com 100 reais?

5 minutos para ler

A Bolsa de Valores apresenta oportunidades de rendimentos muito maiores do que a poupança e outros produtos de renda fixa. Principalmente com a taxa de juros básica da economia, a Selic, em 4,25%, seu menor patamar histórico.

Mas há quem pense que investir no mercado de ações é só para quem têm muito dinheiro para aplicar. Só que isso não é verdade. Mesmo quem é iniciante no segmento financeiro pode investir em ações, sendo possível fazê-lo mesmo com um aporte de apenas R$ 100.

Quer saber como investir em ações com R$ 100? Confira abaixo!  

Lote padrão x Lote fracionário

Há dois caminhos para comprar papéis de uma empresa: lote padrão ou lote fracionário.

Lote padrão

O lote padrão possui a quantia de 100 ações de uma única empresa. Você pode comprar, inclusive, mais de um lote. 

Contudo, é muito difícil você conseguir achar casos de grandes companhias em que 100 ações custem R$100. Daria R$1 por papel, o que pode levar a alta volatilidade e afastar investidores.

Lote fracionário

No lote fracionário você tem mais liberdade. Pode adquirir de 1 a 99 papéis de uma determinada companhia.

Para negociar um ativo no lote fracionário, é preciso digitar a letra F no código da ação. Por exemplo, se quiser comprar ações ordinárias de Vale: no mercado acionário integral, o código do ativo seria VALE3 e no mercado fracionário de ações seria VALE3F.

Uma das vantagens do lote fracionário para quem dispõem de pouco dinheiro é que é possível diversificar mais a sua carteira. Ou seja, você pode comprar 1 ação de 5 empresas, tanto blue chips quanto small caps, por até R$ 100. Deste modo, é possível investir tanto em negócios que pagam bons dividendos quanto em negócios que têm oportunidade de crescimento.

Blue chips 

Blue chips são empresas grandes, bem reconhecidas no mercado brasileiro e bastante negociadas na Bolsa de Valores, por exemplo, a Vale e a Petrobras.

Quando essas empresas obtêm lucro, elas podem distribuir parte desse valor entre os seus acionistas.  Esses valores distribuídos são chamados de dividendos

Cada empresa estipula quanto será repassado aos sócios a partir do lucro obtido. As blue chips são conhecidas por, em muitos casos, apresentarem lucro frequente e, portanto, bons dividendos. A desvantagem é que, por já serem grandes, as blues chips não costumam ter crescimentos expressivos e, por isso, os seus papéis raramente se valorizam drasticamente.

Small caps

As small caps são ações de empresas com menor capitalização, ou seja, com valor de mercado menor (geralmente abaixo de R$ 2 bilhões). Pelo seu menor valor, costumam contar com menor volume de negociação – compra e venda do papel – na Bolsa de Valores.

A grande vantagem das small caps é a oportunidade de aumento significativo no preço do ativo. No Brasil, existem diversos exemplos de Small Caps em setores diversos que, provavelmente, você deve conhecer, como:

  • Hering e Lojas Marisa (vestuário);
  • Camil (alimentos);
  • Grendene (calçados);
  • Movida (aluguel de carros);
  • Gol (companhia aérea);
  • CVC (turismo);
  • TOTVS (tecnologia);
  • Via Varejo (varejo).

Há riscos com as small caps? Sim, como em todo investimento de renda variável. Mas como dissemos, adquirindo as ações de empresas diferente, você pode diluir o seu risco.

Lembre-se das taxas

É preciso lembrar que comprar ações, tanto pelo lote padrão quanto pelo fracionário, demanda  custos com corretagem, impostos e taxas. Por isso, ao comprar pelo lote padrão, o gasto pode ser melhor diluído comparado ao fracionário.

Vamos imaginar que uma instituição cobre R$ 5 pela taxa de corretagem, valor que a corretora cobra por cada operação de compra e venda de um ativo na Bolsa de Valores. Hipoteticamente, você decide comprar Vale3 a R$50 por ação pelo lote mínimo de 100 ações. Desta forma, seu custo total seria de R$ 50 + (R$ 5/100), de modo que cada ação custará R$ 50,05.

Agora suponha que quer comprar um lote com 50 ações da mesma empresa ao mesmo valor por papel e mesma taxa de corretagem. Ou seja, o custo por ação seria de R$ 50,10. Esse aumento acontece porque você tem menos papéis para diluir essa taxa. Por mais que essa diferença seja pequena, é preciso levá-la em consideração para entender se vale a pena investir naquele ativo no mercado fracionário de ações e para avaliar qual deverá ser seu preço de entrada.

É válido ressaltar que no exemplo que demos só consideramos a taxa de corretagem. As instituições podem cobrar outras taxas, sem mencionar a incidência de impostos.

Dicas

  • Pesquise a empresa: mesmo que uma determinada companhia seja reconhecida no mercado, levante informações estratégicas a respeito dela. Por exemplo, o seu histórico de lucros. Se tiver muito prejuízo nos últimos resultados financeiros, o pagamento de dividendos pode ser prejudicado e, assim, seu ganho.
  • Não vá no embalo de “modinhas”: não é porque todo mundo está comprando ações de determinada empresa que você também deve fazê-lo.
  • O mercado de ações é como um mercado qualquer: quanto maior a demanda, mais o preço sobe para conter essa procura. 
  • Para te ajudarmos a entender ainda melhor sobre o assunto, fizemos um vídeo:

Quer saber mais sobre como avaliar as oportunidades para investir com R$100? Acesse a Vexter para interagir com outros investidores, aprender, tirar dúvidas com especialistas e acompanhar as salas de trade ao vivo!

Posts relacionados

Deixe um comentário