Como melhorar o planejamento financeiro pessoal de acordo com seus objetivos?

6 minutos para ler

Qual é o seu maior sonho? E o que você precisa para realizá-lo?

Se a resposta for ganhar mais dinheiro, temos uma notícia para te dar: você não está sozinho. A maioria de nós tem sonhos que, para serem realizados, demandam recursos financeiros. Porém, para alcançá-los mais facilmente, existe uma forma de se organizar e evitar dívidas: o planejamento financeiro pessoal.

Uma pesquisa realizada pelo Banco Central aponta a falta de planejamento financeiro como uma das principais causas do endividamento excessivo da população. Mais um motivo para você ter suas finanças bem planejadas.

Além de te ajudar a fugir das dívidas, um bom planejamento financeiro irá te auxiliar a poupar dinheiro e a investir seus recursos. Fazer bons investimentos aumenta seus ganhos e te coloca mais perto de seus objetivos. E esse é o grande segredo para quem busca ter sucesso e alcançar a independência financeira.  

Entendeu a importância de ter um planejamento financeiro pessoal? Quer saber como ele é possível na prática? Veja as nossas dicas para que você consiga realizá-lo!

Defina seus objetivos

“Se você não sabe onde quer chegar, qualquer caminho serve”. Já ouviu essa frase antes?

Um diálogo do célebre filme “Alice no país das maravilhas” entre a personagem principal e um gato é usado para ilustrar como a falta de objetivos pode ser prejudicial. Muitas pessoas vivem a “síndrome de Alice” em sua vida financeira. Trabalham muito, mas pode ser que não cheguem a lugar nenhum, pois não têm metas bem traçadas. Esse é o problema da falta de objetivo.

Trace um caminho para alcançar suas metas

Se você sabe o que quer, trace um caminho para alcançar suas metas com mais facilidade. Um planejamento financeiro pessoal precisa ser eficiente e trabalhar em prol de objetivos.

Portanto, caso esteja passando por este momento de não ter objetivos claros, a hora de mudar é agora! Defina-os e comece a traçar planos para alcançá-los.

Classifique seus gastos

Controlar os gastos é muito importante para seu planejamento financeiro pessoal e, para lhe auxiliar nessa tarefa, separamos os gastos em três grupos: essenciais, necessários e supérfluos. Dessa forma, você conseguirá dividir o que é importante de fato e o que pode ser cortado.

Gastos essenciais

São os custos que você tem para ter o básico para viver. Por isso, eles precisam ter prioridade no planejamento financeiro pessoal.

Os gastos essenciais são as despesas que você tem com alimentação, moradia e saúde. Entre elas, estão o aluguel, a conta de água e as compras no supermercado, por exemplo.

Gastos necessários

O que você tem hoje que não consegue ficar sem? As respostas para essa pergunta serão os seus gastos necessários.

Quer um exemplo? Há alguns anos, ter um celular era considerado luxo.

Hoje, tornou-se uma necessidade. Porém, não precisa ser aquele de última geração.

Outros exemplos desse tipo de gasto são o carro, a TV por assinatura e a mensalidade da academia. Tudo o que você precisa, mas não é essencial, deve entrar nessa categoria.

Gastos supérfluos

Os gastos supérfluos costumam ser os nossos preferidos, mas eles podem ser um perigo para a nossa saúde financeira. Se você realmente quer alcançar um objetivo, fique de olhos bem abertos nesse tipo de despesa.

Os gastos supérfluos são as despesas que não precisamos ter. É tudo aquilo que não é essencial e tampouco necessário. Se você analisar bem, vai perceber que consegue viver sem eles.

Por exemplo: roupa da última moda, celular de última geração e carro importado. Na hora de montar seu planejamento financeiro pessoal mantenha o foco em seus objetivos. Se algum gasto precisar ser cortado, os supérfluos devem ser os primeiros.

Tabela de gastos

Para que você não se esqueça desses conceitos tão importantes, vamos ver alguns exemplos de cada um deles na tabela abaixo:

Gastos essenciais

Gastos necessários

Gastos supérfluos

  • Aluguel ou prestação da casa;
  • Conta de água;
  • Conta de luz;
  • Gás;
  • Compras no supermercado.
  • Gastos com o carro;
  • TV por assinatura;
  • Internet;
  • Mensalidade da academia.
  • Celular de última geração;
  • Roupas da moda;
  • Todos os canais da TV por assinatura que você nem assiste;
  • Acessórios para o carro (aqueles que você não precisa, mas compra mesmo assim).

Depois de classificar seus gastos, é hora de dar os próximos passos: poupar dinheiro e investir o dinheiro poupado, de acordo com seu perfil e com os seus objetivos. Nós temos um kit de planilhas financeiras prontas para você otimizar o seu planejamento financeiro pessoal. Baixe elas gratuitamente!

Poupe dinheiro

Poupar dinheiro é uma tarefa muito importante e precisa estar presente em seu dia a dia. São as pequenas economias que, quando somadas, formam um valor expressivo.

IMPORTANTE: Não espere sobrar dinheiro para poupar! Afinal, vamos ser sinceros, dinheiro dificilmente sobra.

O percentual que será poupado precisa fazer parte do seu orçamento mensal e ser levado a sério. Como se fosse o pagamento de uma conta de luz, por exemplo.

A dica de George Samuel Clason, autor do livro “O homem mais rico da Babilônia” (obra que fala sobre como aumentar o patrimônio e solucionar problemas financeiros), é que você reserve pelo menos 10% da sua renda para poupar e investir. Clason também destaca que você deve controlar seus gastos de forma que eles nunca excedam os 90% restantes.

Invista seus recursos

É importante investir seus recursos para potencializar seus ganhos e proteger seu capital da inflação. O mundo dos investimentos é muito amplo e oferece uma gama grande de opções. Com certeza, você encontrará o investimento ideal de acordo com seu perfil e com os seus objetivos, seja em renda fixa ou na Bolsa de Valores. 

Abaixo, você irá conferir três objetivos e quais tipos de investimentos são interessantes para cada um deles. Veja:

1. Aposentadoria e faculdade dos filhos

Por serem dois objetivos de longo prazo, uma boa opção de investimento é a previdência privada, na modalidade VGBL. Nela, você pode programar aportes mensais ou esporádicos, conforme achar melhor. Outra opção que pode se encaixar bem é o investimento em ações de boas empresas.

2. Viagens

Algumas opções indicadas para esse objetivo são CDB e fundos de investimento com boa liquidez (possibilidade de resgatar o recurso aplicado com rapidez).

3. Automóveis

Nesse caso, os fundos de investimento em renda fixa e os títulos públicos na modalidade pós-fixado, como o Tesouro Selic (LFT), podem ser boas alternativas. Não importa qual é o seu sonho e quão ousado ele é: com um bom planejamento financeiro, foco e muita disciplina, é possível alcançá-lo.

Comece definindo o que você quer; depois, classifique seus gastos para saber o que pode ser cortado. Se possível, separe um percentual de sua renda para poupar e invista em boas aplicações. Dessa forma você e seu dinheiro trabalharão juntos em prol dos seus objetivos.

Posts relacionados

Deixe um comentário