Quanto custa investir em ações? Veja todas as taxas e custos cobrados!

Tempo de leitura: 5 minutos

Você já deve ter se perguntando quanto custa investir em ações, não é? Essa é uma dúvida muito comum.

Nos bancos, por exemplo, existem taxas de administração que são cobradas para diferentes tipos de operações e, com isso, já estamos acostumados. Porém, quando se trata de bolsa de valores, esse assunto costuma gerar algumas dúvidas.

Como a bolsa é um ambiente diferente do que muitas pessoas estão acostumadas, os custos são desconhecidos. Inclusive, há quem se pergunte se é possível investir com pouco dinheiro. Mas, isso não será mais um problema para você.

Vamos esclarecer cada custo envolvido na negociação de ações neste post! Vamos lá?

Quanto custa investir em ações?

Toda operação financeira envolve custos, que são repassados para nós ou não. Com isso, é natural que o investidor se preocupe com os custos que ele deve arcar ao operar na Bolsa. Veja agora os principais impostos e taxas envolvidos nesse processo:

Imposto de Renda

Certamente, você já ouviu falar sobre o Imposto de Renda (IR). Afinal, ele é um tributo muito conhecido pelo brasileiro.

O IR, como também é chamado, é um valor recolhido pelo governo federal sobre os seus rendimentos. No caso das ações, você precisa pagar o Imposto de Renda sobre os seus lucros.

Em operações normais, o recolhimento é de 15% sobre o ganho líquido. Por outro lado, em operações Day trade (aquelas que começam e terminam no mesmo dia), a tributação é de 20%.

Quem está isento?

Estão isentos do imposto o investidor que não ultrapassar o valor de R$20 mil em vendas de ações em um mês. Os dividendos (lucros distribuídos aos acionistas) também são isentos de Imposto de Renda.

Taxa de Corretagem

A corretagem é um valor cobrado pela corretora onde você tem conta. Essa taxa é referente aos serviços prestados a você por conta de seus investimentos.

Ela pode ser de três tipos: Fixa, Variável ou um misto dos dois. Conheceremos cada uma delas:

1- Corretagem Fixa

A taxa de corretagem fixa, como o próprio nome já sugere, não muda de acordo com o valor que você vai investir. Nesse modelo, não importa se você vai investir R$1.000 ou um milhão, o valor cobrado é sempre o mesmo. Esse tipo de cobrança é o mais praticado pelas corretoras.

​​2- Corretagem Variável

Diferente da taxa fixa, a corretagem variável depende do valor investido. Quanto maior o capital aplicado, maior a taxa. Na maioria das vezes, essa forma de cobrança é praticada por bancos.

​3- Corretagem Fixa + Variável

Esse tipo de corretagem é um misto das duas acima. Ou seja, é composta por um custo fixo, mais um percentual variável.

Em grande parte dos casos, essa taxa é cobrada quando o investidor opta por comprar algum ativo pela mesa de operações. Em outras palavras, é quando você realiza a negociação por telefone, juntamente com seu assessor de investimentos, em vez de utilizar o Home Broker e operar sozinho. Nestes casos, o custo costuma ser um pouco maior do que as demais corretagens que citamos aqui.

Powered by Rock Convert

Tabela da Bovespa

Para definir quanto cobrar de corretagem, as corretoras costumam se basear numa tabela da Bovespa. Veja os valores abaixo:

Faixa de valor (R$) Fixo (R$) Percentual doValor do Ativo
135,08 – 498,62 0 2,00%
198,63 – 1.514,69 2,49 1,50%
1.514,70 – R$ 3.029,38 10,06 1,00%
3.029,39 e acima 25,21 0,50%

Fonte: Bovespa

Contudo, é a corretora quem decide quanto cobrar, a tabela da Bovespa de corretagem não define o valor para as instituições.

Imposto Sobre Serviços (ISS)

Existe também um custo que tem ligação com a taxa de corretagem: o Imposto Sobre Serviços (ISS). O ISS incide sobre o valor da corretagem e costuma ser de, no máximo, 5% da taxa. Por exemplo, caso a corretora cobre R$8 de corretagem, então o ISS será de, no máximo R$0,40.

Taxa de custódia

A taxa de custódia também é cobrada pela corretora, sendo uma taxa para custodiar suas ações. O valor cobrado pode variar de uma instituição para outra, entre R$6,90 e R$50 por mês. No entanto, existem ainda corretoras que não cobram taxa de custódia.

Emolumentos

Os emolumentos, também conhecidos como taxa de negociação, são valores que o investidor precisa pagar à Bolsa para cobrir os custos operacionais. Eles podem variar dependendo do tipo de operação realizada. Por exemplo, ao negociar uma ação no mercado à vista, o investidor paga 0,0050% de taxa de negociação, mais 0,0275% de taxa de liquidação, totalizando 0,0325%.

Além disso, também é cobrada a taxa de liquidação. Tanto os emolumentos quanto a taxa de liquidação são cobrados sobre o valor financeiro da operação. O que quer dizer que, a cada operação, o investidor deve pagar o valor total das taxas.

Veja abaixo os valores definidos pela BM&F Bovespa, que são cobrados tanto do comprador quanto do vendedor sobre o valor financeiro da operação:

Tipo de
operação
Negocia-
ção
Míni-
mo
Liquida-
ção
Mínimo Total Mínimo
Operações
Normais
0,007% 0,0275% 0,0345%
Operações
Especiais
0,068% 0,0060% 0,0740%
Operações
Especiais
com ativos
não lista-
dos
0,350% R$70 0,1500% R$30 0,5000% R$ 100

Fonte: BM&F Bovespa

Não se assuste!

Agora, você já sabe quanto custa investir em ações. Sabemos que essa quantidade de nomes e cobranças pode assustar no começo.

A princípio, parece que são muitas cobranças e você deve estar se perguntando se tudo isso não vai acabar com o seu lucro. A resposta é: depende.

Não há como fugir dessas taxas. Contudo, você pode incluí-las na sua estratégia e operar de forma que elas não afetem seu rendimento.

Ganhar dinheiro na bolsa é possível

Não precisa se assustar, ganhar dinheiro na bolsa continua sendo possível. Se não fosse assim, essa modalidade não atrairia tantos investidores.

Investir na bolsa de valores envolve disciplina e estratégia, regadas a boas decisões. Assim, o sucesso e a lucratividade estarão bem próximos de você!

Que tal conferir algumas dicas para investir na Bolsa de Valores com segurança? Acesse nosso post sobre o assunto aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *