Entenda como funciona o rendimento da poupança e por que ele é considerado baixo

A caderneta de poupança é uma aplicação financeira muito popular no Brasil. De acordo com dados do Banco Central, em 2017, os depósitos na poupança totalizaram mais de 2 trilhões de reais. Esse número mostra como muitos brasileiros ainda usam a poupança.

Não se pode negar que a poupança oferece algumas facilidades. É um tipo de conta que não gera tarifas, possui isenção de Imposto de Renda e de IOF e tem boa liquidez, ou seja, é possível resgatar o capital aplicado sem dificuldades. Além disso, abrir uma conta poupança costuma ser uma tarefa simples. Tudo isso pode motivar diversos brasileiros a aplicarem seus recursos na poupança.

Mas já te falaram que o rendimento da poupança é muito baixo? Apesar de ser uma das formas de investimentos mais comuns no país, o rendimento da poupança é inferior a outras aplicações disponíveis. Ou seja, você pode estar deixando de ganhar dinheiro ao fazer aplicações nessa modalidade.

Quer saber mais sobre o rendimento dessa aplicação tão popular e por que ela é tão pouco rentável? Entenda como funciona o cálculo de remuneração da poupança de maneira simples e descomplicada neste post!

Como a poupança paga os seus rendimentos?

O primeiro passo para entender o funcionamento do rendimento da poupança é saber o dia em que ela paga os seus rendimentos. O rendimento de uma aplicação na poupança é pago mensalmente na mesma data em que cada depósito foi realizado na conta e esse dia é chamado de data de aniversário.

Existe uma exceção: depósitos realizados nos dias 29, 30 e 31 têm a data de aniversário no dia 1º do mês seguinte. Caso você resgate o dinheiro antes de chegar a data de aniversário, você não receberá o rendimento daquele período.

Apesar da facilidade de realizar o resgate, em termos de ganhos, ele pode não ser vantajoso. Vamos para o próximo passo: a base de cálculo desse rendimento.

Como funciona o rendimento da poupança?

Quem dita as regras do rendimento da poupança é a Selic, taxa básica de juros da economia brasileira. Dependendo do patamar que a taxa estiver, a simulação do rendimento da poupança pode ser diferente. Veja abaixo como funcionam os cálculos de remuneração de acordo com a variação da taxa Selic:

Taxa Selic acima de 8,5%

Rendimento da poupança = 0,5% ao mês (6,17% ao ano) + Taxa Referencial

Taxa Selic igual ou menor que 8,5%

Rendimento da poupança = 70% da Selic + Taxa Referencial

A Taxa Referencial, ou apenas TR, citada nos cálculos é uma taxa de juros da economia brasileira. Ela é calculada diariamente pelo Banco Central e divulgada nos principais noticiários econômicos do país. Você também pode consultá-la no site do Banco Central. Em 2017, a Taxa Referencial esteve bem próxima a 0 (zero), chegando a zero em alguns meses, como aconteceu em abril e também de setembro a dezembro.

Cálculo de remuneração

Agora que você já sabe um pouco mais sobre a TR, vamos aplicar a base de cálculo que vimos acima em um exemplo prático. Suponhamos que você tenha aplicado R$10 mil na caderneta de poupança durante um mês. Em um cenário em que a taxa Selic está acima de 8,5% e a TR está em 0,00, o cálculo de remuneração será feito da seguinte forma:

Dados:

Valor aplicado: R$10.000
Rendimento mensal da poupança: 0,5% a.m.
Taxa Referencial: 0,00

Cálculo de remuneração:

0,5% ao mês + Taxa Referencial
10.000 x 0,5% + 0
=  50

Agora, veremos como ficaria o cálculo do simulador de poupança em um cenário em que a taxa Selic esteja abaixo de 8,5% e Taxa Referencial seja 0,0.

Dados:

Valor aplicado: R$10.000
Tempo de aplicação: 1 mês
Taxa Selic: 6,5% a.a (referência: março de 2018)
Taxa mensal para Selic de 6,5%: 0,53 a.m
Taxa Referencial: 0,00

Cálculo de remuneração:

70% da Selic + Taxa Referencial

Primeiro, vamos calcular quanto é 70% da Selic mensal:

70% x 0,53
= 0,37

Agora, vamos ao cálculo:

(0,37% + 0,00) x 10.000
= 37,00

Obs.: Os cálculos acima são realizados de forma didática e por isso não foram consideradas as casas decimais. Para se obter o valor exato é preciso levar em consideração todas as casas decimais da calculadora. 

No primeiro caso, o seu ganho foi de R$50 e, no segundo, de R$37,00. Ou seja, em cada um dos casos, estes seriam os valores creditados na conta ao final do período de rendimento.

Porém, esses valores não representam o seu retorno real. Para descobri-lo, é preciso descontar a inflação. No próximo tópico, você entenderá melhor como ela pode afetar os seus retornos.

Como a inflação afeta o rendimento da poupança?

Com certeza, você já ouviu falar bastante sobre inflação, que é um aumento no nível geral de preços. A inflação faz com que seu dinheiro vá perdendo poder de compra com o passar do tempo.

Hoje, você não compra as mesmas coisas que compraria com R$100 há 5 anos. O valor que o dinheiro tem pode mudar.

Por isso, na hora de calcular a rentabilidade de suas aplicações, é preciso descontar a inflação. Veja só esses conceitos importantes:

    • Retorno absoluto ou nominal: quanto sua aplicação rendeu sem descontar a inflação.
  • Retorno real: quanto a sua aplicação rendeu descontada a inflação.

Calculando o desconto da inflação

Para calcular o retorno real da aplicação, você precisa descontar a inflação da taxa de retorno da poupança. O cálculo é simples, basta seguir o exemplo abaixo. Nele, vamos utilizar uma taxa anual de 6,17%, caso em que a Selic está acima de 8,5% ao ano.

A fórmula para fazer este cálculo é:

Juros Reais = [ (1 + Juros Nominais) / (1 + Inflação) ] – 1

Exemplo de cálculo:

Juros Nominais: 0,5% ao mês

Inflação: 0,24% ao mês  (ou 2,95% a.a.)

Juros reais: [ (1+0,5%) / (1+0,24%) ] – 1 = 0,26% a.m.  

Dessa forma, quando você aplica seu dinheiro na poupança e a regra de rendimento vigente é de 0,5% ao mês + Taxa Referencial, o retorno real obtido não é de 0,5% mensais, e sim 0,26%, porque a inflação reduz parte do poder de compra.

No caso citado acima, a inflação está em um cenário de baixa, em um patamar de 2,95% a.a.. Há pouco tempo, em 2015, a inflação anual foi de mais de 10% no Brasil.

Rendimento negativo

Neste cenário, por exemplo, o resultado do rendimento da poupança seria negativo e você acabaria perdendo dinheiro. Isso prejudicaria ainda mais os seus rendimentos, afinal, quanto mais alta for a inflação, menores serão os seus ganhos reais. Dessa forma, é importante que você leve sempre em consideração o retorno real da sua aplicação, assim, você saberá de fato quanto será o seu retorno.

Vale a pena investir na poupança?

Atualmente, a poupança não tem oferecido rendimentos muito altos. Quando descontamos a inflação o resultado é ainda pior.

Por isso, é fundamental procurar outros tipos de investimentos que sejam mais rentáveis e ofereçam mais vantagens. Mesmo as modalidades que são tributadas podem apresentar rentabilidades líquidas bem superiores às da poupança, que não sofre incidência de Imposto de Renda e IOF. Abaixo, separamos um exemplo comparativo entre a poupança e um Certificado de Depósito Bancário (CDB), que é um investimento tributado, para que você possa ter uma visão dessa diferença na prática:

CDB

Poupança

    • Taxa: 122% do CDI (7,8% a.a.)
    • Valor investido: R$10.000
    • Tempo da aplicação: 1 ano (365 dias)
    • Rendimento sem o desconto de IRPF: R$1.223,75
    • Imposto de renda: 20% (sobre o ganho) = R$244,75
    • Rendimento: R$979,00 (ganho real)
  • Total: R$10.979,00
    • Regra em vigor: 0,5% a.m. + TR
    • Valor investido: R$10.000
    • Tempo da aplicação: 1 ano (365 dias)
    • Imposto de Renda: Isento
    • Rendimento: R$616,05
  • Total: R$10.616,05

Em um ano, a diferença entre investir o mesmo capital na poupança e no CDB seria de mais de R$300. Agora, imagine esse montante num horizonte de dois, 5, 10 anos ou mais. Por isso, é tão importante comparar as diferentes rentabilidades oferecidas pelos diversos produtos disponíveis no mercado financeiro.

Modalidades com melhores ganhos

Existem várias outras modalidades que podem oferecer ganhos mais atrativos que os da poupança além do CDB, como:

  • Tesouro Direto;
  • LCI;
  • LCA;
  • investimentos na bolsa de valores (ações e contratos futuros), que costumam oferecer rendimentos ainda melhores que os citados anteriormente.

É só encontrar o tipo de investimento que vai de encontro ao seu perfil e aos seus objetivos. Agora você já sabe: calcular o rendimento da poupança não é algo complicado.

Lembretes finais

Para calcular o rendimento da poupança, considere as taxas necessárias para fazer as contas e qual cenário está em vigor, de acordo com a taxa Selic. Também vale a pena descontar a inflação para saber qual será seu retorno real. Um dos segredos para ter bons resultados no mundo de investimentos é estar sempre atento ao mercado e fazer boas escolhas na hora de investir.

Tem mais alguma dúvida sobre o rendimento da poupança? É só deixar um comentário abaixo que nós vamos te ajudar!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.