taxa selic taxa selic

O que é taxa Selic e como ela influencia seus investimentos?

6 minutos para ler

Em 1979, foi criado no Brasil o Sistema Especial de Liquidação e Custódia, responsável por regular o mercado e controlar a inflação. Mas apenas em 1996 – com a necessidade de se criar um Comitê de Política Monetária – que o Banco Central estabeleceu uma taxa referencial para os juros da economia brasileira, também conhecida como Selic.

Abreviação para Sistema Especial de Liquidação e Custódia, a taxa Selic é definida pelo Copom ao longo de 8 reuniões anuais: isso é, a cada 45 dias, os membros do comitê se reúnem para avaliar a necessidade de reduzir, aumentar ou manter a taxa no mesmo patamar.

Mas, afinal, como as altas e as baixas da Selic impactam seus investimentos?  Onde é melhor investir quando ela está em queda? Continue a leitura e entenda!

O que é a Taxa Selic

A Taxa Selic é a média ajustada dos títulos negociados diariamente pelo governo no Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Isso significa, em outras palavras, o valor pago em juros pelo governo às instituições financeiras que adquirem títulos públicos do Tesouro Nacional.

Além de ser o principal instrumento do Banco Central para controlar a inflação, a Taxa Selic influencia todas as outras taxas de juros brasileiras: desde os rendimentos das aplicações financeiras até as remunerações de empréstimos e financiamentos.

Como a Taxa Selic funciona na prática

Além da arrecadação de impostos, o governo utiliza também um outro mecanismo para fazer a economia girar e oferecer serviços básicos à população, como saúde, educação e segurança: a emissão de títulos públicos do Tesouro Nacional, oferecidos às instituições financeiras e devolvidos com juros acrescidos.

Por lei e como forma de garantir a estabilidade do sistema financeiro, todos os bancos precisam alocar em uma conta do Banco Central, diariamente, uma parcela dos depósitos recebidos ao longo do dia. Caso a instituição não tenha esse valor em seu caixa, precisará recorrer à outra instituição, oferecendo como garantia os títulos públicos adquiridos do Banco Central.

Esses empréstimos entre os bancos duram apenas 24 horas, aproximadamente, e a taxa que incide sobre eles é a Selic Over, um pouco diferente da Selic Meta, que ouvimos falar com mais frequência. Além de parâmetro para as outras taxas da economia, essa última é definida pelo Copom de 45 em 45 dias e configura a taxa básica de juros da economia brasileira.

Geralmente, a Selic Over fica alguns pontos abaixo da Selic Meta. Quando esse distanciamento cresce, o Banco Central intervém por meio da negociação dos títulos públicos.

Como a Taxa Selic é definida

De 45 em 45 dias, os membros do Copom se reúnem para avaliar, com base em indicadores financeiros e de mercado, o valor da Taxa Selic Meta, que pode permanecer inalterado, aumentar ou diminuir em alguns pontos percentuais: isso acontece com o objetivo de manter economia equilibrada e o dinheiro circulando.

Quando é necessário controlar a inflação, o Banco Central desacelera a economia aumentando a Taxa Selic; ao mesmo tempo, visando estimular o consumo e aquecer a economia em períodos de baixa da inflação, o Banco Central utiliza o mecanismo de redução da Taxa Selic.

Veja, abaixo, os valores definidos pelo Copom durante as 6 reuniões já realizadas ao longo de 2020:

DataSelic MetaTaxa Selic
16/09/20202,00Em apuração
05/08/20202,001,90
17/06/20202,252,15
06/05/20203,002,90
18/03/20203,753,65
05/02/20204,254,15

Fonte: Banco Central do Brasil

Qual é a relação entre a Taxa Selic e os investimentos

Como podemos perceber, as variações da Taxa Selic influenciam diretamente no dia a dia dos brasileiros. Em agosto, com o objetivo de aquecer a economia, o Copom reduziu mais uma vez o indexador, que passou de 2,25% para 2%.  

Com a baixa da Selic, o crédito fica mais acessível e a inflação tende a subir, no entanto, a rentabilidade das aplicações em renda fixa reduz proporcionalmente, pois a maior parte têm como referência a taxa básica de juros definida pelo Banco Central.  

É por isso que em épocas de baixa, como a que estamos vivenciando ao longo de 2020, os papéis mais afetados negativamente são os Títulos do Tesouro Direto, a Caderneta de Poupança e os investimentos em Renda Fixa. Entenda:

Tesouro Selic: indexado à Taxa Selic, sua rentabilidade seguirá a mesma tendência da taxa fixada pelo Copom – com a baixa da Selic, a rentabilidade dos títulos será menor, e vice-versa.   

Outros investimentos em Renda Fixa: muitas vezes, por estarem indexados ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI), um índice que acompanha a Taxa Selic, alguns CDBs e as Letras de Crédito, por exemplo, acabam rendendo menos em épocas de baixa dos juros, assim como o Tesouro Selic.

Caderneta de Poupança: caso a taxa Selic esteja acima de 8,5% ao ano, a Caderneta renderá 0,5% em cima do valor depositado ao mês + a Taxa Referencial; se a Selic estiver igual ou abaixo de 8,5% ao ano, como atualmente, a Poupança renderá 70% da Selic + a Taxa Referencial, o que reduz bastante a sua rentabilidade.

Onde investir com a Taxa Selic em queda

Desde 2016, a Taxa Selic está em queda, e, de setembro de 2017 para cá, não atingiu mais o rendimento de 8,5% ao ano. Esse cenário pode parecer desanimador para quem investe em Renda Fixa, mas o que não faltam são opções de investimentos disponíveis para os mais diversos tipos de perfis.

O mais importante, nesse caso, é conhecer bem o mercado e optar por títulos que pagam acima de 100% do CDI. A depender do seu perfil de investidor, você pode montar uma carteira de investimentos diversa e destinar parte dos seus recursos para investimentos mais rentáveis, como a Bolsa de Valores.   

Vale lembrar que, quanto maior a rentabilidade de um ativo, maiores são os seus riscos. Portanto, se o seu objetivo é potencializar seus ganhos mesmo em épocas de baixa dos juros, fique atento às três dicas abaixo:

– Conheça bem o seu perfil de investidor;

Defina seus objetivos a curto, médio e longo prazo;

Equilibre sua carteira e redistribua bem seus recursos em aplicações em Renda Fixa e, se for o seu caso, em Renda Variável também.

Ficou alguma dúvida? Deixe nos comentários que iremos responder!

Posts relacionados

Deixe um comentário